Maria Ivone Vairinho e Poetas Amigos

Maio 30 2010

Obrigada Senhor por mais um dia

Por esta angústia que me rouba a alegria

Mas que me faz crescer.

 

Se me olho ao espelho não me reconheço

Sou tudo o que ele diz, e o que não pareço

Porque a minha alma chora para dentro.

 

Das árvores verdejantes, quero a esperança

Duma primavera ornada de cor,

Dos pássaros as asas e o canto em hinos de amor,

Do céu azul o manto com anjos transparentes

Onde meu olhar cansado possa repousar.

 

No quarto sozinha Contigo cruzo meu olhar

Tu vens, me acalmas, me abraças, secas meu pranto

Como Cireneu levas minha cruz que pesava tanto.

 

Neste frio de arrepio que me enregela o coração

Tenho o calor dos bons amigos que me deste por bênção.

Com eles cresço, vivo, canto, dou graças

Enquanto rezo minha oração.

 

Depois, baixinho, no silêncio das horas

Bates-me à porta. Deixo-te entrar com a tua graça

E Te interrogo: “Senhor, Senhor que queres que eu faça?”

 

13/12/09

 

Donzília Martins

Postado por Liliana Josué

 

 

 

 

publicado por cantaresdoespirito às 23:40

Maio 30 2010

MOTE

 

“Senhor, a noite veio e a alma é vil,

Tanta foi a tormenta e a vontade!

Restam-nos hoje, no silêncio hostil,

O mar universal e a saudade.”

 

GLOSA

 

Neste tempo de “globalização”,

Os lobos esfaimados num covil

Dão lugar à sua sofreguidão,

Senhor, a noite veio e a alma é vil,”

 

Os valores da cultura ocidental,

Que antes foram pois uma verdade,

Dum querer, virou poder sem igual

Tanta foi a tormenta e a vontade!”

 

E o que outrora foi um império imenso,

Aos poucos se perdeu em sonhos mil,

E da lembrança de um tal portento

Restam-nos hoje, no silêncio hostil,”

 

Reduzido à dimensão inicial,

No cantinho da nacionalidade,

E apenas só nos resta afinal

O mar universal e a saudade.”

 

António Boavida Pinheiro

Postado por Liliana Josué

 

 

 

 

publicado por cantaresdoespirito às 23:36

Maio 30 2010

(Temático)

 

MOTE

 

“Perdi-me dentro de mim

Porque eu era labirinto

E hoje, quando me sinto

É com saudades de mim.”

 

GLOSA

 

Que procuro? Nem eu sei.

No princípio, meio ou fim,

Do muito que procurei

Perdi-me dentro de mim.

 

Foi tão grande a confusão

Que encontrei, que mal pressinto,

Perdi pois meu coração

Porque eu era labirinto.

 

Sem saber o que fazer,

Como sair do recinto

Sensação de entontecer

E hoje, quando me sinto

 

Querer de novo viver,

Do princípio até ao fim

E se algo acontecer,

É com saudades de mim.

 

António Boavida Pinheiro

Postado por Liliana Josué

publicado por cantaresdoespirito às 23:34

Maio 30 2010

Fugaz nas atitudes mas sem voz

Resoluta na acção, amor ostenta,

Um rascunho escreve na sebenta

Sua dor na triste vida tão atroz.

 

Sentindo o mal alheio pensa em nós

Assim seu sofrimento mais aumenta,

Pois guarda no seu peito o que sustenta,

Qual sagrado tesouro luz veloz.

 

Iluminou passado que sentiu

Depois deixa escrita na poesia,

Descoberta passada dum então.

 

Nessa chama que vive sempre alerta

Entrega com candor a sua oferta

Sem fadiga dum terno coração.

 

Judite da Conceição Nunes Higino

Postado por Liliana Josué

publicado por cantaresdoespirito às 23:30

Maio 30 2010

Ary dos Santos é o meu poeta de eleição, a fonte onde mato muita da minha sede poética! Não podia, pois, deixar escapar esta oportunidade proposta pela APP de homenagear este grande poeta. O meu problema era como fazê-lo! Limitar-me a declamar um ou outro poema seu não me pareceu a melhor ideia por não ser grande declamador. Escrever sobre a pessoa e sobre o poeta, de certo que pouco acrescentaria a tudo quanto de positivo já foi escrito por outros com mais aptidões do que eu para o fazer.
Pensei, então, que a melhor maneira de lhe prestar a minha homenagem seria recorrer às suas próprias palavras; aos versos utilizados em muitos dos seus poemas como nocturno, estigma, soneto, morte e transfiguração, Kirie, o coco entre outros, ecom eles ousar compor este poema:

 

Era uma vez um poeta

 

Era uma vez um poeta
filho dum deus selvagem e secreto

que caminhou por cidades, por nuvens e deserto
como se fosse noite e nos atirasse
cordas de músculos  e rosas.
Um poeta que foi
arabesco triunfal dum arcanjo que passou
rasto vitorioso dum condenado que dançou
rindo dos deuses que o julgaram.

 

Era uma vez um poeta que dizia:
Antes sofrer a raiva e o sarcasmo
antes o olhar que peca, a mão que rouba
o gesto que estrangula a voz que grita.
Antes viver do que morrer no pasmo
do nada que nos surge e nos devora
mas poeta castrado não!

 

Era uma vez um poeta
que percorreu países esquecendo palavras
que atravessou rios desprezando leis
e pairou nas alturas de costas voltadas
aos séculos de pasmo que para trás deixou
e hoje dorme sepultado
de olhos abertos e dedos gelados
que puxam pela noite
e descobrem alas de anjos mutilados.

 

Era uma vez um poeta
que levantou, ao vento, essa voz que eu não tenho.
Que impôs a Deus a obrigação de o escutar no vento
e entender o que dizia e sonhava.
Que atravessou descalço a planície vermelha
em nome dos que choram
dos que sofrem
dos que acendem na noite o facho da revolta
e que de noite morrem
numa cama de chuva com lençois de vento
com a esperança nos olhos e arames em volta

Era uma vez um poeta que dizia:
há que dizer-se das coisas
o somenos que elas são.
Se for um copo é um copo
se for um cão é um cão
porque todo o talentoso que não for tendencioso
todo o génio que não for neo-agro-pecuário
é um coco no caco dum vadio tinhoso
que não sabe ser poeta estetossolidário.
A palavra sarcasmo é uma rosa rubra.
A palavra silêncio é uma rosa chá.
Não há céu de palavras que a cidade não cubra
não há ruas de sons que a palavra não cobra
à procura da sombra duma luz que não há.

 

Era uma vez um poeta esclarecido que dizia:
Aqui ao pé do vento forjamos o lamento
dum país que se vende a peso nos prospectos...
tanto de sol ardente, tanto de cal fervente
e nódoas de céu nos xailes pretos.

 

Era uma vez um poeta original
que amava a carne das palavras
sua humana e pastosa consistência
seu prepúcio sonoro sua erecta presença
e com elas violentava o cerne do silêncio.


Um poeta que se originou a si mesmo
porque original é o poeta
que numa sílaba é seta
noutra pasmo ou cataclismo.
O que se atira ao poema
como se fosse ao abismo
e faz um filho às palavras
na cama do romantismo.

Era uma vez um poeta, um poeta maior
que em nome de muitos braços
em nome de muitas mãos.
que em nome da liberdade
vinda nos ventos de Abril
que em nome de tantos génios
com a voz amordaçada
e em nome dessa vontade
de ser-mos todos iguais
Gritou...
Aqui não passam mais!


Pela certeza que dá
o ferro que malha a dor.
Pelo aço da palavra
fúria, fogo, força, flor...
por ser-mos nós a cantar
e a lutar em português
passaremos a palavra
passaremos adiante
e em nome da nossa frente
e dos nossos ideais
diante de toda a gente
contigo gritaremos:
Aqui não passam mais!

 

Abgalvão

 

 

publicado por palavrasaladas às 23:19
editado por appoetas em 28/05/2011 às 17:06

Maio 28 2010
PÉRFIDAS MATILHAS - é o tema desta semana em que deixo transparecer
uma leve ironia que se adapta a muitas situações reais dos nossos dias.
Veja o tema em poema da semana ou aqui neste link:
 
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Perfidas_Matilhas/index.htm
 
Com as minhas cordiais saudações
Euclides Cavaco
ecosdapoesia@netcabo.pt
 
Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com
 
 
publicado por appoetas às 19:03

Maio 28 2010

EUCLIDES CAVACO

 na Rádio Sesimbra 103.9 FM

 

Amanhã Sábado 29 de Maio

às 9:00 horas TMG (hora de Lisboa)

por gentil convite do talentoso apresentador

Alberto Silva

 

para sintonizar através da internet procurar em:

www.radios.pt

Distrito de Setúbal -  Rádio Sesimbra 103.9

 

Tenho o prazer de convidar os  meus amigos que tiverem

a possibilidade de nos sintonizar a fazerem-nos companhia

 

Desejos dum excelente fim de semana
Euclides Cavaco
ecosdapoesia@netcabo.pt
 
Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com
 
publicado por appoetas às 18:44

Maio 26 2010

Em que fado é que me espelho?
Quando os raios de sol sinto...
Quando a lua vem pratear!
Meus passos num labirinto.

Cabelos soltos ao léu...
E os passos naquele cais,
Ancorados naquele céu...
Fados que são tão banais...

Em que fado é que me espelho?
Quando a voz que tenho é rouca?
E o espelho me diz.Sou velho...
E me deixa a alma louca?

Esta alma que é Lusitana,
Lusitana e tem valor...
Qual o espelho que me engana?
Tapa-me o sol e o calor!

Ao cantar o trovador,
Á janela da sua amada,
Acorda pra vida o amor...
Amor, em vida espelhada.

Porquê mente espelho meu?
Pondo turva a minha mente,
Este fado não é teu...
É só meu, tão simplesmente!

Cecília Rodrigues
21-05-2010-Portugal

publicado por Cecilia Rodrigues às 11:21
editado por appoetas em 20/07/2010 às 17:16

Maio 24 2010

 

(subindo o Douro)


O barco vai partir. Em toda a gente
Rasgado há um sorriso de alegria;
Será uma viagem bem diferente
Daquelas que se fazem dia a dia

Um silvo e já lá vai. A velha ponte
Derrama sobre nós um terno olhar;
E a sua irmã mais nova, ali defronte,
Saúda como em gesto de abraçar

Nas máquinas ultima-se um ajuste…
Serão fotos pra ter a vida inteira...
Ao longe já se avista Bagaúste
Que vai pedir bilhete, qual porteira

Dois barcos ela acolhe em curto espaço
E fecha, alta e potente, uma comporta;
Bem presa a água sobe, traço a traço,
Até chegar ao cimo, onde uma porta,

Nos leva a novo troço, ante a luz verde
Que dá o prosseguir desta viagem...
E o nosso olhar de novo já se perde
No rio e nos encantos da paisagem

Alguém ao lado diz, com ar maroto,
Brincando na alegria que se sente:
- Este barco é melhor, “passou” o outro,
Deu-lhe um enorme "baile" e vai à frente!

Na proa há quem levante em brincadeira
Uma bandeira negra de piratas:
Ossos postos em cruz, uma caveira,
Como se se previssem zaragatas

E vão as saudações para quem segue
Na direcção oposta iguais folguedos,
Enquanto o olhar sobe e fica entregue
Às vinhas, aos socalcos, aos rochedos,

Às nuvens que nos cobrem com seu véu
No branco dos recortes tão risonhos,
Aos montes que no cimo unem ao céu
Levando o nosso olhar envolto em sonhos

Pra trás já ficam dóceis outros rios...
São filhos dando ao Douro companhia;
Barragens, duas mais! E os desafios
postos aos durienses dia a dia:

- Subir pelos socalcos altaneiros
Num chão que mesmo agreste ele é fecundo
Ao dar "vinho do Porto", dos primeiros!
Levando Portugal a todo o mundo!

- À força de quem tem vontade férrea
E vence os obstáculos do caminho!
Como venceu ao lado a linha férrea
Que leva hoje os comboios, ao Pocinho (*)

São desafios ao Homem que fez História
E faz, no seu presente, ou no futuro!
Que vem desde horizontes da memória
A cultivar um chão que lhe é tão duro...

Ali floresce a rocha... e pelo meio,
Brotam a urze, a abrótea, cresce a malva...
Que vão a enfeitar nosso passeio
Até chegar ao cais, em Barca d'Alva

Agora há oliveiras nas encostas,
Está perto já do fim, nossa façanha;
E cantam as pessoas bem dispostas.
Ao fundo aquele monte já é Espanha.

Acosta o barco ao cais, que nos espera
Tal como a povoação velhinha e calma,
Sob um escaldante sol de Primavera
Trazendo mais calor à nossa alma

Ah chão, que minha alma tanto elevas
Rumando a horizontes que… nem sei...
Ah rio fascinante, não te atrevas
A me dizer adeus!... que eu voltarei!


(*) o comboio chegava até Barca d’Alva; porém, a linha foi desactivada a partir do Pocinho, há cerca de 20 anos. Uma pena.


Joaquim Sustelo
23.05.2010

publicado por tardesdeoutono às 20:28

Maio 23 2010

 

No mar das tuas mãos me fiz batel.

Da luz do teu olhar me fiz farol.

No lume da tua pele matei o frio

dos tempos de um porvir

a que roubaste o sol!

 

2008

Jenny Lopes

Postado por Liliana Josué

publicado por cantaresdoespirito às 23:27

Este blogue está aberto aos co-autores e Poetas Amigos de Maria Ivone Vairinho
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
15

18
19
21

25
27
29

31


links
pesquisar
 
Tags

11 poemas inéditos de carlos cardoso luí(1)

25 anos app(11)

ada tavares(18)

adriano augusto da costa filho(39)

albertino galvão(11)

albina dias(18)

alfredo martins guedes(2)

ana luísa jesus(4)

ana patacho(3)

anete ferreira(3)

antónio boavida pinheiro(22)

app(5)

armindo fernandes cardoso(3)

bento tiago laneiro(5)

carlos cardoso luís(13)

carlos moreira da silva(2)

carmo vasconcelos(22)

catarina malanho semedo(2)

cecília rodrigues(48)

cláudia borges(8)

dia da mãe(8)

dia da mulher(9)

dia do pai(6)

donzília martins(8)

edite gil(68)

elisa claro vicêncio(4)

euclides cavaco(100)

feliciana maria reis(4)

fernando ramos(20)

fernando reis costa(3)

filipe papança(11)

frances de azevedo(2)

gabriel gonçalves(14)

glória marreiros(20)

graça patrão(6)

helena paz(15)

isabel gouveia(3)

jenny lopes(11)

joão baptista coelho(1)

joão coelho dos santos(7)

joao francisco da silva(4)

joaquim carvalho(3)

joaquim evónio(9)

joaquim sustelo(70)

judite da conceição higino(4)

landa machado(1)

liliana josué(45)

lina céu(5)

luis da mota filipe(7)

manuel carreira rocha(4)

margarida silva(2)

maria amélia carvalho e almeida(6)

maria clotilde moreira(3)

maria emília azevedo(5)

maria emília venda(6)

maria fatima mendonça(2)

maria francília pinheiro(3)

maria ivone vairinho(14)

maria jacinta pereira(3)

maria joão brito de sousa(69)

maria josé fraqueza(5)

maria lourdes rosa alves(4)

maria luisa afonso(4)

maria vitória afonso(8)

mário matta e silva(20)

mavilde lobo costa(22)

milu alves(6)

natal(16)

odete nazário(1)

paulo brito e abreu(6)

pinhal dias(9)

rui pais(8)

santos zoio(2)

sao tome(10)

susana custódio(15)

tito olívio(17)

vanda paz(23)

virginia branco(13)

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO